terça-feira, março 02, 2010

E agora Madeira?

Não sou filho desta pérola mas senti e senti esta catástrofe como se aqui tivesse nascido.

Ao ver aquelas imagens dantescas na televisão não queria acreditar no sucedido. Parecia estar a decorrer num outro país.

Sinto, por isso, um aperto no coração sempre quer vejo o estado em que se encontra (encontrava) a baixa do Funchal, uma zona de uma beleza incomparável onde se assistem aos mais belos pores-do-sol.

Choca-me ver que há pessoas que apenas estão preocupadas em tentar descobrir de quem é a culpa do sucedido.

Não é necessário ser detentor de um curso de engenharia civil para se saber que não se devem efectuar construções no leito das ribeiras.

Mas o mais importante neste momento é recuperar da tragédia, colocar tudo a funcionar dentro da normalidade sem nunca esquecer o que aconteceu. Devemos manter presente nas nossas cabeças esta catástrofe para que erros anteriores não sejam novamente cometidos.

De que servem Cimeiras como a de Copenhaga se os valores económico-financeiros falam sempre mais alto? Será que a tragédia no Haiti, a catástrofe na Ilha da Madeira e o terrível sismo no Chile servem de atestado de incompetência a todos os líderes mundiais?

O que mais falta acontecer para que se apercebam que precisamos de fazer mudanças para que a Natureza não nos destrua do mesmo modo que nós a andamos a destruir?


Deliciem-se


Funchal


Piscinas naturais de Porto Moniz


Seixal


Costa Norte


Faial / Costa norte


4 comments:

Anonymous Anónimo said...

Olá grande autor... é verdade, não posso ler e seguir sem deixar de apoiar estas palavras simples mas detentoras de uma verdade tão séria. É defeito do ser humano trocar o seu apoio por palavras que culpam alguém, por um dedo que aponta a culpa... sem se lembrar que nada disso faz sentido. Quando uma tragédia como esta acontece e as outras descritas e tantas outras que já lá vão, devemos pensar em nos unirmos, ao invés de criar mais uma barreira... É verdade, pois, que de repente e de todos os cantos, surge mais um "engenheiro" das obras destruídas, mais um entendido "que sempre disse que ia dar mau resultado", e no entanto, nada faz a não ser "dar paletras" enquanto toma café. É defeito do ser humano é, mas não somos obrigados a aturar!

Luisa C.

terça-feira, 02 março, 2010  
Anonymous N C said...

Não conhecia estes teus dotes...nem este teu sentimentalismo lololol....
Tenho de concondar com tudo o que escreveste. Eu também não nasci neste "Cantinho do Paraíso" mas senti tudo o que aconteceu como se fosse a minha terra... Foi chocante sair à rua e ver tudo aquilo que fazia parte do meu dia-a-dia completamente destruído, foi marcante e sofredor. Não vamos pensar em culpas, vamos é esperar que se aprenda com os erros. A Pérola vai brilhar, vai brilhar ainda mais.

terça-feira, 02 março, 2010  
Anonymous Anónimo said...

Como filha desta terra, com um pôr do sol e luminosidade ímpares, fiquei emocionada com as tuas palavras.
Senti que muitos, não sendo de cá, sentiram o temporal e a devastação da ilha como eu...Foram dias em que foi difícil, se não impossível, observar um sorriso…
Quanto aos “opinion makers” que por aí andam, acho que a seguinte expressão define-os na perfeição "falam, falam e não dizem nada".
É tempo de calar esses senhores e dar voz aos “solution makers”...
Termino dizendo que a minha ilha, não, a nossa ilha, vai renascer ainda mais bonita.

Sofia Teixeira

terça-feira, 02 março, 2010  
Anonymous Branco said...

Tao sentimental que ele esta...lol...

segunda-feira, 08 março, 2010  

Enviar um comentário

<< Home